Lugar do Pendura

16 Dez 2016

Automobiliária!

Já abrimos as portas! 🙂

Queremos estar mais perto dos nossos clientes e a melhor maneira de o fazer é ter um espaço para os receber.

Como ajudamos na compra e venda de automóveis usados entre particulares, ou no limite, fazemos a mediação da comprar e venda queríamos ter um nome, como não havia o sector, inventámos: Automobiliária!

Se confiamos as nossas casas às imobiliárias, porque não confiamos os nossos carros à automobiliária (já me começo a habituar ao nome do sector)?

IMG_9329

 

Automobiliaria_2Todos ganham, ganha quem vende porque vende por mais, ganha quem compra porque compra por menos e ambos com toda a segurança, tanto na transacção financeira como no automóvel.

Quer saber mais? Venha visitar-nos!

Hoopy
Passeio do Adamastor, 18B
1990-008 Parque das Nações – Lisboa

 

02 Dez 2016

Aceita retoma?

É muitas vezes a primeira pergunta que faz quem tem interesse na compra de um automóvel.

A compra ou venda de um automóvel não é a compra ou venda de dois automóveis.
Num negócio que inclui retoma, provavelmente, uma ou ambas as partes vão ficar com a sensação que não fizeram um bom negócio e muitas vezes acertam.

É fácil perceber, o comprador vai tentar valorizar o seu automóvel e desvalorizar o que vai comprar, o vendedor, irá tentar desvalorizar o que vai receber e valorizar o que vai vender. Esta é uma equação que pode criar tensão e que muitas vezes inviabiliza a concretização do negócio. Mas muitas vezes é o grande facilitador para a concretização do mesmo.

Vou mostrar-vos o que penso sobre isso, dividindo em 3 grandes receptores de retomas no mercado e que tipo de negócio fazem e o que entrega a retoma, começando por este.

1.O particular que entrega a retoma!
Vou dar como exemplo um particular, sabendo que há empresas que também negoceiam retomas.

Quem tem interesse na compra de um carro e tem outro para dar como retoma começa a fazer estas contas:
– “O meu carro vale X, eu tenho Y dinheiro, logo posso comprar um carro até Z”
ou
– “Eu quero o carro W, o meu carro vale X, preciso de Y dinheiro

O problema é o “X”, isto é, normalmente pensamos que o nosso automóvel actual vale mais do que efectivamente vale. A construção de preço é feita por comparação de viaturas idênticas, mas nada garante que essas viaturas tenham sido vendidas pelo valor que estão anunciadas. Esta variável que depende de “nós” e do “nosso” conhecimento sobre o “nosso” automóvel irá depois influenciar se o dinheiro Y tem que ser mais do que previa, ou o carro não pode ser o W mas o P.

Também acontece negociar o novo automóvel como não havendo retoma e fechado o preço aparece a retoma para entregar, isto para além de poder inviabilizar o negócio é chico-espertismo!

2. O particular que recebe retomas!

É muito raro isto acontecer, ou a retoma é muito interessante, seja em termos do próprio automóvel ou do valor que o vendedor pede por ele. De outro modo este particular, é um comerciante de automóveis ou é um particular com actividade paralela na compra e venda de automóveis.

3. O concessionário de marca que recebe retomas!

Quando um cliente pretende comprar um automóvel novo, normalmente faz contas ao seu automóvel actual, não há que enganar, o vendedor do “novo” tem que aceitar a retoma. Se a retoma é da marca que representa ou outra qualquer pode fazer alguma diferença, uns pozinhos de valorização.
Aqui o negócio é este, ou valoriza a retoma e penaliza no desconto do novo, ou oferece um super-preço do novo e muito pouco pelo usado.

O principal negócio da concessão de marca, é a venda de automóveis novos, toda a estrutura (deste o modelo de negócio aos recursos humanos) focam-se na venda dos novos, os usados recebem-nos porque “tem que ser”, é onde, em princípio, lhe darão menos pelo seu actual automóvel, simplesmente porque não é o negócio deles e porque não há grande interesse.

4. O comerciante de usados que recebe retomas!

O negócio aqui é muito idêntico ao que faz o concessionário da marca (penaliza o preço do novo ou penaliza a retoma), mas este pode dar-se ao luxo de não receber a retoma de todo. A estrutura aqui está toda focada nos usados e o argumentário comercial é complemente diferente e conhecem muito bem o produto.
Se a retoma interessa, seja por preço, por valor, porque já tem  a quem vender ou outra qualquer, pode conseguir-se um valor simpático de retoma (mas o novo não vai baixar muito).
Se a retoma não interessa, porque tem pouca aceitação no mercado e vai ficar parada muito tempo no stand, porque o valor que pede é elevado, porque já tem muitos idênticos em venda, vai receber pouco ou simplesmente não a vão aceitar e dar-lhe-ão um desconto um pouco maior no novo.

Resumindo, a minha opinião é que não se devem misturar compras e vendas no mesmo negócio, mas não quer dizer que não se façam bons negócios ou que pelo menos não seja facilitador do mesmo, agora que todos ganhem, acho difícil.

Hoopy

25 Abr 2016

Comprar ou vender um automóvel usado – A quilometragem importa?

É uma característica que normalmente importa muito a quem compra e é desvalorizada por quem vende. Mas é assim tão importante?

Para quem compra existem algumas barreiras, há a barreira dos 100.000 kms, isto é, se tiver 95.000km está novo, se tiver 105.000 km, é melhor ver se encontramos algo menos rodado… mesmo estando a falar de um intervalo de 10.000 kms pensamos desta maneira. Ás vezes até fazemos a pesquisa por “até 100.000 Kms” quando estamos em portais de automóveis usados. A barreira dos 200.000 kms é aquela em que já é muito difícil alguém conseguir ultrapassar. Com uma quilometragem de 200.000, 230.000, 275.0000 é normalmente um carro pouco convidativo.

Para quem vende a quilometragem abaixo dos 100.000 kms quer dizer que comprou o carro e tem estado parado, só usa ao fim de semana ou trabalha a 2 quilómetros de casa. Acima dos 100.000 kms e até aos 200.000 kms é uma quilometragem normal para um carro usado. A partir dos 200.000 kms normalmente é tudo “feito em auto-estrada” e andou sempre em visitas comerciais, mora longe do trabalho, tem uma de fim-de-semana, ou quem fez muitos quilómetros foi o anterior dono.

Na verdade, associamos a quilometragem ao uso do motor, mas não é aí que tenho a única preocupação, porque no motor podem ser feitas manutenções preventivas e correctivas e se estas forem feitas atempadamente o motor manterá a vivacidade e fiabilidade com relativo baixo custo.

O problema reside em outros componentes que têm o mesmo uso do motor mas que normalmente não tem manutenção preventiva ou correctiva, a pintura, os estofos, os tapetes (fixos e amovíveis), o plásticos interiores e exteriores, etc mas todos esses componentes estiveram lá tantos quilómetros como o motor. Normalmente, esses são os componentes de negociação “a pintura está um pouco queimada do sol”, “tem aqui dois risquinhos na porta”, “o tapete tem um buraco por baixo do pedal” e por ai em diante onde o comprador tenta baixar o preço e o vendedor acha que não é isso que influencia a venda.

Apesar das barreiras psicológicas dos 100, 200 ou 300 mil quilómetros nunca vamos saber na realidade qual o uso que foi dado ao carro. Até porque eu posso ter this site um automóvel com 85.000 kms e nunca lhe ter feito uma manutenção ou ter um automóvel com 200.000 kms onde fiz mudanças de óleo de 10.000 kms em 10.000 kms de acordo com o plano de manutenção da marca.

Ainda por causa das barreiras psicológicas da quilometragem é que se alteram quilómetros nos carros, é mais fácil vender um carro com poucos quilómetros do que com muitos. Uma maneira relativamente fácil de ver se a quilometragem é a real é comparar o quadrante do carro com a folha de inspecção aí conseguimos perceber se tem os quilómetros reais, o problema é quando o carro é importado porque não há registo de quilometragem anterior e os livros de manutenções valem o que valem, e os carros até aos 4 anos (data em que fazem a primeira inspecção).

Existem muitos exemplos do que correu bem e mal à volta do tema quilometragem, basta procurar na internet.

Não quero desvalorizar totalmente a quilometragem mas acredito que o bom negócio depende do estado que o carro apresenta na altura da venda, um profissional consegue com alguma segurança ou recorrendo a meios mais tecnológicos perceber o estado do carro, independentemente da  quilometragem.

Façam-me um favor não assumam que uma quilometragem abaixo dos 100.000 kms é uma excelente compra e acima dos 200.000 kms o carro está praticamente para abate…

Hoopy

 

 

19 Abr 2015

Esperámos demasiado tempo…

  • By:
  • With Comentários fechados em Esperámos demasiado tempo…
  • In Hoopy

É verdade, esperámos demasiado tempo mas finalmente chegou uma inovadora e segura forma de negociar viaturas entre particulares, a Hoopy.
Até agora, apenas comprávamos ou vendíamos carros usados a comerciantes ou a particulares. Os comerciantes tiram-nos algumas “dores de cabeça” no que respeita a segurança e garantias, mas o preço a here pagar é exagerado, os particulares é um modo menos seguro e sem garantia mas o preço é menor.

E juntar o melhor dos dois?
Bom, foi exactamente isso que pensámos e é isso que fazemos e muito mais.
De todos os negócios de viaturas em Portugal, 85% são de usados, e grande parte entre particulares, mas não há garantias, não há segurança no pagamento e muitas vezes não há pagamento, nem carro…

Mais do que uma necessidade do mercado automóvel, há uma necessidade em ajudar as pessoas a negociar os seus carros e é isso que fazemos, confirmamos a documentação, o estado do carro com um examinador certificado e juntamos a isso uma garantia mecânica de 6 meses, tudo incluído no preço.

Juntamos ainda o que normalmente pensamos que não é dinheiro, mas é, o tempo.
Não tem que atender inúmeras chamadas de interessados (e curiosos), nós fazemos por si, não tem que perder um sábado a ir mostrar o carro, nós também fazemos por si.

Compre ou venda a particular com toda a segurança, no conforto do seu lar.

Monitor_hoopy

10 Abr 2015

A burla na compra e venda de carros usados!

Olá,

Criei a Hoopy também para ajudar os particulares que compram e vendem os seus carros usados. Cansei-me de ouvir e ler histórias de pessoas que eram burladas, ficando sem o dinheiro, sem o carro ou sem ambos.

As burlas acontecem onde e quando menos esperamos. Os portais de compra e venda entre particulares não se responsabilizam pelos negócios dos seus utilizadores e às vezes acontecem em stands de automóveis, por isso todo o cuidado é pouco quando compra ou vende um carro usado.

Segurança nas viaturas, documentação e pagamento entre particulares?
É possível com a Hoopy sem perder o seu tempo.

Em todas as viaturas Hoopy!

Exame e  test drive exaustivo à viatura por um profissional certificado,  o resultado da inspecção é disponibilizado no nosso site. 

• Registo da visit this site viatura no nome do comprador

• Garantia mecânica de 6 meses.

• Garantimos:
Que a documentação está em ordem.
Que não tem ónus nem penhoras
O numero de proprietários
O histórico de acidentes participados.
Garantimos que a transacção é segura a nível de pagamento e transmissão de propriedade.

Se optar por comprar ou vender por si, reduza o risco na transacção.
Deixo-lhe algumas sugestões anti-burla.

Tudo na vida tem um preço e ninguém dá nada a ninguém!
Desconfie sempre de valores muito baixos, normalmente só servem para chamar a atenção e estabelecer contacto com os burlões.

Não aceite cheques, mesmo visados!
A não ser que se dirija ao banco para o depositar na hora da transacção da viatura.
O dono do cheque pode facilmente informar o banco que o cheque foi roubado ou simplesmente cancelá-lo por perda , furto ou roubo.

Não faça transacções por empresas de envio de dinheiro
As empresas são idóneas mas os seus serviços são usados por burlões.

As transferências bancárias são a forma mais segura mas ATENÇÃO:

Não faça ou receba transferências bancárias depois das 18h ou ao fim-de-semana.
Os bancos só efectivam essa informação no dia útil seguinte.

Transferência bancária só no mesmo banco!
As transferências bancárias entre bancos diferentes só são efectivadas dias depois, mesmo que lhe dêem o talão multibanco a confirmar e terão tempo para levantar o dinheiro.
Se não tiver conta no banco do comprador, peça a alguém da sua confiança (familiar, amigo) que lhe dê o NIB e que confirme a entrada do valor, nesse caso é automático e em tempo real.

Não arrisque!
Compre ou venda com segurança.

Hoopy.

Existing User?

Register | Lost your password?